Psicologia do Adulto / Psicoterapia
Compreender para mudar

Ajudo os meus clientes a iniciarem e realizarem processos de mudança, potenciando o seu ajustamento e adaptação a diferentes contextos e exigências internas e externas, para que alcancem a satisfação e tranquilidade de se reconhecerem na sua vida e nas suas escolhas.
Seja em mudanças de carácter profissional, pessoal ou familiar e relacional, acredito no poder do exercício consciente das nossas capacidades e potencialidades. Em situações pontuais ou perante dificuldades mais persistentes, que pressupõem um trabalho mais continuado em psicoterapia, trabalhamos em conjunto, sustentados numa relação terapêutica profissional e autêntica.

Pode já ter reparado como se confronta ao longo da sua vida com as mesmas situações que repetidamente se transformam em focos de mal-estar e insatisfação, sem saber bem como lhes dar a volta. As consequências desses padrões são diversas e constituem sintomas, expressos nas vertentes emocional, cognitiva, física, e comportamental. Na verdade, esses sintomas são “mensageiros” da necessidade de mudar, de se ajustar e de criar congruência na sua vida. Saber acolher estes sinais para os traduzir e reconhecer o valor e a intenção transformadora destas manifestações é essencial para se compreender, pacificar com a necessidade de mudar e mobilizar para a acção. Se não doer, vai mesmo prestar atenção? Adiar não é solução.

Recorrendo a técnicas e modelos psicoterapêuticos estabelecidos e validados, num ritmo manejável e progressivo, compreendendo e agindo sobre as causas subjacentes, posso ajudá-lo a superar dificuldades e sintomas:

 

Emocionais-> emoções intensas e persistentes, como medo, pânico, tristeza, desespero e angústia, raiva e frustração, vergonha e culpa; embotamento afectivo (não sentir nada); grandes e rápidas oscilações emocionais sem causa aparente;

 

Cognitivos -> pensamentos persistentes e “loops” mentais, auto-críticos, autodepreciativos e auto-destrutivos, pensamentos obsessivos e ruminativos relativos ao passado e de dúvida do seu valor e capacidades pessoais, associados a baixa auto-estima, bem como uma auto-depreciação, dificuldade em reconhecer e aceder aos seus próprios recursos internos;

 

Físicos-> manifestações de ansiedade e stress, dores de cabeça e de estômago, cansaço crónico, tensão muscular e falta de energia, perturbações do sono;

Comportamentais -> dificuldades de relacionamento com os outros nos diferentes contextos que se pode traduzir em evitamento e isolamento social, agressividade e impulsividade para com os outros ou o próprio, comportamentos de evitamento e procrastinação e de desinteresse por tarefas e aspectos da vida que habitualmente traziam satisfação, adições (substâncias e comportamentos)